O que queremos para 2022, Senhor?

O que queremos para 2022, Senhor?

3 de janeiro de 2022 0 Por Carolina Vila Nova

O que queremos para 2022, Senhor?

O que devemos pedir? Saúde, paz, mais dinheiro e sucesso? Amor?

Não seria muito que nossos pedidos continuem sendo individuais ao invés de coletivos?

Não seria mais correto pedir, que nos transformasse em pessoas não egoístas, capazes de levantar da cama e agir em prol do meio ambiente e da reversão do aquecimento global?

O que se pede após uma pandemia, meu Deus?

Ou só se agradece?

Eu agradeço pela vida e saúde dos meus, pelo trabalho, o pão de cada dia e pelos poucos e bons amigos.

Confesso, que me sinto cansada, embora ainda tenha esperança.

Se eu tiver crédito para pedir algo, talvez eu peça, encontrar as respostas para a eterna crise existencial: “De onde eu vim? Para onde vou? Estou fazendo certo por aqui? Minha energia está na direção correta? E a falta de amor nas relações somada a falsidade e imaturidade da maioria das pessoas? Por que somos assim? Se fomos criados à Sua imagem e semelhança, como podemos ser tão mesquinhos e pequenos? Por que os que estão no templo costumam ser os que mais apontam o dedo?”

Como paramos de julgar, Senhor?

Me ensina a perdoar. E antes disso a não julgar… mas como se faz isso?

Eu não sei! Sou mais uma pequena e mesquinha em busca dos meus desejos individuais, na eterna vontade de um dia fazer pelo coletivo.

Perdoe minha hipocrisia, eu sou igual a todos eles: penso que sou boa, ao mesmo tempo, em que sei que não sou. Raros foram os realmente bons: Ghandi, Madre Teresa, Chico…, quem sou eu no meio disso tudo? Um nada à esquerda! Ao menos um nada, que adquiriu consciência e responsabilidade nos últimos anos.

Obrigada pelo sucesso, meu Deus! Que ele me leve a trabalhos ainda mais úteis, conciliadores e de alcance profundo à quem, a eles se conectam. Que toque a alma de quem precisa e eleve um pouco a vida, para indivíduos mais próximos de si mesmos e assim melhores a cada dia. Que meu trabalho ensine que o caminho é sempre para dentro e não do lado de fora!

Eu sei quem sou, Senhor! Agradeço a alienação que ficou para trás e todos os anos de inconsciência. Dai-me muita paciência agora para conviver com os inconscientes metidos à besta!

Sim, meu Deus, eu sei! Eu não tenho paciência nenhuma, então me livra logo dos inconscientes e me permita atrair os meus. Eu não corri e cheguei até aqui para caminhar com quem anda para trás.

Põe em meu caminho os que se conhecem, são transparentes com si mesmos e assim se tornam capazes de agir com lealdade com a própria vida e com o mundo.

Falando em mundo, não consigo olhar para ele com muita esperança agora. Por quê? Me parece que ele depende da gente nesse momento.

E como vai ser, meu Deus?

Quem irá salvar o mundo de seus super-heróis de araque, que na verdade fazem o papel dos piores vilões? O planeta está sendo destruído, bem como as amizades, o respeito e os valores.

Minha esperança é que as melhores pessoas se rebelem, se tornem maiores e possam mostrar sua força, motivando as “Marias vão com as outras”, aqueles inconscientes, supostamente superiores aos despertos.

Me perdoe, Senhor! Não consigo deixar meu sarcasmo de lado, mas penso que pode me entender, afinal, por que me criou assim? Me permitiu ver e compreender o pouco que compreendo? Não tem como não me indignar com o resto.

Me permita mais, Senhor!

Escolho mais! Mais compreensão, mais força, mais ética e valores reforçados, mais vontade de mudar as coisas, ainda que com vários dedos apontados na minha direção.

Eu acho que não tenho coragem de pedir um ano melhor, porque não sei, se acredito nisso. Somos tão desmerecedores, tão pequenos. O que eu poderia pedir? Na minha ignorância, pequenez, hipocrisia e egoísmo? Desperta em mim uma vontade ainda maior de trabalhar, sem enrijecer o coração com a falta de ética e autoconhecimento alheio.

Terapia, meu Deus?

Para todo mundo? Isso mudaria o planeta, certamente! Mas acho que a fome ainda é a pior de todas as dores, que um ser humano pode sofrer. Misericórdia, não compreendo o porquê de tamanha dor. Sequer imaginar a falta do essencial para se viver, quando eu apenas ficaria feliz em sanar as dúvidas existenciais. E sei que isso também é muito, vá lá, eu sei sim!

Poderíamos pedir políticos justos e não corruptos?

O Senhor não inventou isso ainda?

Será que estamos no inferno e ninguém nos avisou? Ou esta é só mais uma das minhas questões sobre a existência?

A dor de existir, meu Deus, por que ela sempre nos acompanha?

Ao menos, agradeço: parei irremediavelmente de projetar a solução nos outros. Melhor aquisição! Que agora parem de projetar em mim, por favor, Senhor, faz essa gentileza.

Ainda estou pensando: o que podemos pedir? Não acredito que o ano vai ser melhor, o planeta continua aquecendo, as matas continuam sendo desmatadas, o egoísmo crescendo a solta, os que passam a perna se dando bem e até os trabalhinhos espirituais de uns e outros dando certo. Como pode melhorar?

O Senhor vai mandar alguns alienígenas para nos salvar de nós mesmos, de toda nossa estupidez?

Pode mandar! A data limite do Chico já passou! A hora é agora!

Como nos melhorar como seres humanos, Senhor, senão pela dor, como tem sido a vida inteira para todos nós?

E quem é que vai pedir dor na virada do ano? Eu não vou! Se vier eu aceito, mas afirmo que não quero!

Me dê trabalho, coragem, vontade e força, mas chega dos falsos e inconscientes amores, amizades cheias de interesse e pessoas que assistem o Programa do Ratinho! Manda os bons, meu Pai!

O que pedir nessa virada de ano, Senhor?

Eu ainda não me decidi.

Por que é tão difícil?

Não acredito num mundo melhor, tão pouco na melhora da maioria, mas acredito na fé e na espiritualidade, na energia que sinto e até mesmo nas respostas que não tenho. Não sou capaz de entender, mas acredito sim, que tudo tem um motivo, uma razão de ser e acontecer, porque ainda que pequena, quando olho para trás, vejo os motivos para agradecer: eu cresci, meu Deus, obrigada!

É isso, Senhor! Me traga crescimento na virada do ano, renovação! Oportunidades de me tornar melhor, mas sem muita dor, faz favor. Um pouquinho por dia, em doses homeopáticas!

Clareza, sabedoria! A luz no fim do túnel para dentro de mim mesma. Que essa luz nunca se apague e que a espiritualidade amiga esteja sempre por perto, apontando o caminho! Que no meio do caos desse mundo cão e de uma multidão de dormentes, que eu siga na direção certa, ajudando a quem me couber, sem me irritar com a demora e reaprendendo a amar, depois de toda a dor de uma vida!

Tende piedade de nós, Senhor! Não guia só a mim, mas a todos, que como eu, se sentem no direito de pedir alguma coisa!

Escolho mais! Mais de tudo e do melhor, para uma melhor de mim!

É isso!

E faz chover de vez em quando!

Obrigada!

Carolina Vila Nova